Alimentação saudável, tendência ou moda? ~ Forno, Fogão e Cia Consultoria Gastronômica Chiarini Culinary Consultants Brasil

29/08/2016

Alimentação saudável, tendência ou moda?

Natural ou químico?
Temos visto uma reviravolta no mercado de alimentação fora do lar por causa das novas tendências, uma delas, a alimentação saudável, prega regras que em alguns casos são consideradas discutíveis e algumas delas são bastante radicais.

A busca pelo corpo perfeito nas academias tem sido acompanhada de perto por alguns nutricionistas que dizem que para se obter certos resultados as pessoas deverão deixar de comer alimentos importantes da cadeira nutricional.

Dietas extremamente restritivas tem sido indicadas por alguns destes profissionais e seguido pelo alunos das academias como se fosse uma bíblia, entretanto, essas regras podem levar a deficiências graves de vitaminas e sais minerais que são essenciais para o corpo ter seu funcionamento correto.

Muitas dessas dietas também substituem alimentos naturais por compostos químicos que prometem ser o supra sumo para a obtenção de proteínas, por exemplo. O perigo está justamente aí, será que um composto químico manipulado por uma empresa que diz estratificar e isolar proteína consegue ter em seu produto a mesma qualidade do alimento natural?

Há diversas correntes de pensamento neste sentido e correntes contrárias ao uso desses compostos, pois, não há nenhuma comprovação científica sobre a sua absorção pelo corpo de maneira mais intensa do que seria se fosse feita com alimentos naturais.

Outra questão quem vem sendo levantada por especialistas é se isso não passa de moda, já que na última década o crescimento desse mercado foi vertical e ajudado pelas redes sociais, pessoas fazem suas fotos enquanto treinam e mostram seus corpos sarados e comentam que tais resultados foram obtidos com o uso desses "pseudos alimentos químicos".

Como cozinheiro, fico pensando e o sabor, o aroma, a textura, onde ficam? Ter prazer em se alimentar é parte indissociável da alimentação, nos alimentamos com os cinco sentidos e tomar uma dose dessas composições de proteína em flocos ou pó misturado com água, substituindo um alimento natural que você mastiga e sente seus elementos agregados principalmente ao sabor, não tem graça alguma.

Nos últimos dois anos tenho visto uma grande tendência por parte dos restaurantes em servir alimentos naturais e alguns até orgânicos com origem comprovada que apesar do preço de custo, acabam compensando, já que tem público certo.

Sabemos que a industrialização baixa os custos de produção a níveis difíceis de serem atingidos por pequenos produtores de alimentos, principalmente em se tratando dos produtores de orgânicos que em sua grande maioria tem que contar com pouco espaço físico e uma produção mais alongada em tempo, mas, nada substitui o que a mãe natureza produz e, se formos fazer as contas, produzir alimentos sem a adição de defensivos e aditivos químicos, sai mais barato do que produzir com o uso deles.
A grande questão é produzir em quantidade e tempo para abastecer a todos.

No Brasil a produção desses alimentos naturais e orgânicos ainda é muito pequena, entretanto, o aumento de demanda pode fazer essa parte da cadeia alimentar ser maximizada, principalmente para a popularização dos produtos, há muito trabalho a fazer para que isso possa acontecer, no entanto, há fortes tendências de crescimento.