Atitudes invisíveis, resultados visíveis. Os primeiros anos de carreira de um cozinheiro. ~ Forno, Fogão e Cia Consultoria Gastronômica Chiarini Culinary Consultants Brasil

15/03/2016

Atitudes invisíveis, resultados visíveis. Os primeiros anos de carreira de um cozinheiro.

Em algum momento na vida todo mundo pergunta: "porque a grama do vizinho sempre parece mais verde do que a sua?".
Se você já tentou entender essa pergunta, porque ela surge e conseguiu chegar a uma conclusão, certamente passou por uma experiência onde tudo o que estava fazendo parecia ser invisível.

Nas cozinhas profissionais é bastante comum durante os primeiros anos de carreira ser o "invisível" da vez, todos os seus colegas mais velhos de profissão, parecem ter sempre mais destaque em qualquer coisa que façam e é claro, você não quer ficar de fora.
Em qualquer profissão existem erros e acertos que todos cometem, independente de sua experiência, alguns desses erros são mais benéficos do que os acertos porque você acaba aprendendo com eles e o contrário também é válido, mas, para seu trabalho realmente ser notado, é necessário achar o equilíbrio entre errar e acertar, afinal, é impossível ganhar todas.

Vamos elencar alguns erros e acertos comuns aos profissionais de cozinha nos primeiros anos de carreira para que você possa achar o seu equilíbrio:

Erro:
O profissional acaba de se formar e com sede de mostrar tudo o que sabe entra, na "síndrome do professor sabe tudo", olha os novos colegas de trabalho com certa soberba achando que eles estão fazendo quase tudo errado e passa a corrigi-los, tão negativo quanto possa parecer, essa atitude te deixa isolado e faz você se tornar o cara mais chato da cozinha, seu futuro será curto e você não vai nem aprender, muito menos mostrar nada do que sabe;

Acerto:
Mesmo tendo estudado e se dedicado até a exaustão, passado para o grupo dos 10 mais da faculdade, você ainda sente que precisa de mais conhecimento, portanto, se comporta como aprendiz ao menos na prática, pois de teoria você entende, seu colegas de trabalho vão ver em você o potencial que tem, desde que se lembre de mostrar o que sabe e manter respeito pelo que pode aprender, muitas vezes a teoria não se aplica totalmente na prática e alguns atalhos praticados por seus colegas mais velhos de profissão, serão úteis para você, prepare-se para uma boa e longa experiência;

Erro:
Um ano de casa, muito trabalho duro e você ganha uma promoção, sobe de cargo e salário e isso sobe a sua cabeça, você age como se fosse o "Chef de Cuisine", o próprio Escoffier em uma versão moderna, com isso, você acaba de perder uma boa chance de continuar crescendo e aprendendo, note que daqui para frente se quiser crescer e aprender, cargo e salário maior, não significa apenas reconhecimento, mas, confiança dada pelo seu Chef, de que consegue assumir mais responsabilidades, agindo no erro, sua carreira vai estagnar;

Acerto:
Você viu que há possibilidades de subir de cargo e trabalhou duro para isso, mas, não vai ficar parado se conquistar um novo espaço e mostra isso, querendo aprender sempre mais e mais, ótimo, é de pessoas assim que uma boa equipe é formada, é com pessoas assim que um Chef mantém os melhores resultados que vão refletir no seu bolso, se usar seu conhecimento adquirido para adquirir mais, sua carreira decola feito jato;

Erro:
Carreira andando, rotina diária, nada além do "arroz com feijão de todos os dias", você começa a deixar procedimentos básicos de lado, abandona padrões e passa a fazer seu trabalho de uma maneira que ele se torna "denorex" o famoso parece, mas, não é, isso é tão comum que os profissionais mais experientes tem um apelido para essa atitude, "procurador" só que de novo emprego;

Acerto:
Rotina é o comum do seu dia, você entende que isso faz parte e por isso, segue normas, padrões e procedimento para ter mais tempo para descobrir novos conhecimentos ou aprimorar técnicas, os Chefs costumam olhar essa atitude como "o mais novo Estrela Michelin";

Erro:
Você trabalha em uma cozinha quase militar, seu Chef é exigente e não perdoa erros, as vezes você assume o posto dele, só que se transforma no "Gordon Ramsay" ou no "Carlos Bertolazzi", personagens de TV não se dão bem na vida real e cozinha não é campo de guerra, muito menos feira para ficar gritando feito um bólido ou jogando coisas nos uniformes do outros, resultado, seus colegas olham você e pensam "coitado tá ficando doidinho" seu futuro é ser procurador;

Acerto:
O mesmo cenário acima até você assumir a posição de Chef de vez em quando, com uma diferença, você usa a exigência do seu Chef para exemplificar e não para submeter, ou seja, você mostra como se faz e não manda fazer, seus colegas o admiram porque você não perde a linha e ainda usa a paciência para mostrar o certo, seu futuro é ser um bom líder;

Erro:
Você lê todas as revistas, assiste todos os programas de TV, é absolutamente aficionado por gastronomia, experimenta as mais variadas técnicas e usa tudo o que estiver a mão para inventar, a isso damos o nome de "doença da criatividade", cuidado ao inventar demais, cozinha exige tradição, conhecimento profundo dos ingredientes e principalmente respeito por eles, afinal, ninguém vai querer provar esferificação de capsaicina com geleia de damasco e melaço, só porque parece lindo na foto, combinar aroma, sabor e textura tem limites;

Acerto:
Você está com a sua cabeça aberta e pronto para absorver qualquer tipo de conhecimento culinário, mas, usa sua experiência, suas lembranças gustativas e sua vivência para criar seus pratos, a isso damos o nome de "experimentação", conhecer os limites e saber se é possível ultrapassa-los, sem ferir tradições ou mesmo o respeito pelo ingrediente, o tornará um cozinheiro cada vez melhor.

Lendo parece fácil achar o equilíbrio entre erro e acerto não é?

Observe no seu local de trabalho suas atitudes e a dos seus colegas, coloque em prática alguns erros e acertos para chegar as suas conclusões e, lembre-se "errar é humano, persistir no erro, é burrice".